RIO GRANDE DO NORTE

RESUMO E PARTICIPANTES

O Polo RN é constituído pelo Grupo de Pesquisa Linguagens da Cena: Imagem,

Cultura e Representação localizado no Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Aqui estão inseridos pesquisadores desenvolvendo e orientando pesquisas na área das Artes (Artes Visuais e Artes Cênicas). As investigações do Polo dão ênfase aos Estudos da Imagem e da Cultura Visual, às Matrizes Estéticas das Formas Artísticas; e às Dramaturgias, Performatividade e Poéticas da Pós Modernidade.

Considerando a proposta do Projeto Imagens, Geografia e Educação de reunir

pesquisadores interessados no estudo e na criação de obras visuais e audiovisuais para potencializar novos formatos de imaginar o espaço e conseqüentemente constituir uma nova política de espacialidade, a participação do Polo UFRN se justifica não apenas pela afinidade dos projetos de pesquisa em desenvolvimento, mas também, e principalmente, pelo interesse de seus pesquisadores na área e na temática que de maneira geral resume a totalidade do Projeto: o estudo e produção de imagens e novas espacialidades, a busca pela compreensão e proposição de uma nova forma de teorizar o espaço e suas representações, e a questão das linguagens discursiva e visual que constituem a realidade e o imaginário coletivo no contexto da construção de novas geografias.

Coordenadora

Dra. Maria Helena Braga e Vaz da Costa

Pesquisadores do Grupo/Polo

Alex Beigui de Paiva Cavalcante (Dept. Artes /UFRN)

Maria de Lurdes Barros da Paixão (Dept. Artes / UFRN)

Doutorandos

Rebeka Caroça Seixas (doutoranda em Letras)

Rummenigge Medeiros de Araujo (Doutorando em Letras)

Mestrandos

Yuri de Andrade Magalhães (Mestrando em Artes Cênicas)

Camila Maria Grazielle Freitas (Mestranda em Artes Cênicas)

Marina Madeira de Toledos (Mestranda em Artes Cênicas)

Gustavo Henrique Lima Ferreira (Mestrando em Artes Cênicas)

José Gomes Neto (Mestrando em Geografia)

Graduandos

Antônio Vicente Neto (Graduando curso de Teatro)

Carlos Alberto da Costa Junior (Graduando curso de Teatro)

Daiane Pereira Capistrano (Graduanda curso de Dança)

Joabson Bruno de Araújo Costa (Graduando curso de Jornalismo)

Karina Borja de Sousa Pinheiro ( Graduanda curso de Dança)

Nathalia Christine da Silva Morais (Graduanda curso de Teatro)

Veruza de Morais Ferreira (Graduanda curso de Artes Visuais)

Projetos de Pesquisa desenvolvidos no Grupo e mais proximamente associados ao Projeto Imagens, Geografia e Educação:

Título: Geografia Cultural & Cinema: Um estudo Teórico-Interdisciplinar sobre o Espaço Urbano.

O objetivo central desse projeto é expandir a pesquisa financiada pelo CNPq por meio de Bolsa de Produtividade em Pesquisa de maneira que este respalde a compreensão e a análise das representações do espaço urbano contextualizando-as em relação aos novos parâmetros decorrentes da contemporaneidade e que vêm transformando esteticamente não apenas as produções cinematográficas das mais variadas nacionalidades de uma maneira geral, e a brasileira em particular, como também a nossa percepção e entendimento do espaço urbano. Como hipótese inicial, sugere-se que em vários contextos da cinematografia americana e brasileira esses espaços foram modificados por meio de uma estética diferencialmente híbrida, produto da pós-modernidade e que acabaram por influenciar nossa maneira de viver estes mesmos espaços.

Em resumo, a hipótese é que a crescente fragmentação que caracteriza a contemporaneidade a torna caótica criando espaços de desordem, fazendo surgir novos formatos estéticos da representação do espaço, produzindo uma nova estética onde ocorre uma hibridização dos espaços fílmicos. Novos traços estilísticos conceituados como pós-modernos se caracterizam então no âmbito cinematográfico em resposta à perda da fronteira entre os processos regulatórios da representação do real e do imaginário, criando uma desestabilidade formal. Nesse sentido, pretende-se alargar o conceito de geografia fílmica, em substituição ao tradicional conceito de espaço fílmico, para entender o espaço de representação nessa conjuntura. Neste sentido, este projeto aparece como um desafio, visto que corola muito tempo de preparação teórica responsável pela formação de uma base conceitual ampla, aberta e produtiva, que demanda o confronto com a prática cultural reflexiva para efetivar-se.

Título: Geografias Fílmicas e Estéticas Híbridas do Cinema Brasileiro Contemporâneo.

Apesar de aparentemente díspares, Cinema e a Geografia Cultural buscam estudar e compreender o mundo ficcional e o mundo real , suas representações, o imaginário coletivo e o simbólico, resultantes das interlocuções desses mundos , através da compreensão da construção, organização e percepção de um mesmo elemento: o espaço. No entender de

alguns geógrafos culturais (e.g. Duncan e Ley, 1993; Cosgrove e Daniels, 1988), o estudo do espaço ou lugar não deve depender ou basear-se apenas no levantamento de dados empíricos e na análise de elementos fisicamente concretos, mas igualmente na variedade de representações (pintura, literatura, fotografia, filme, etc.) através das quais o espaço geográfico serve enquanto discurso e também se constrói. Filme, nesse contexto, passa tanto a se configurar em um rico objeto de análise na perspectiva hermenêutica e válido para a análise do discurso sobre os conceitos

geográficos, quanto possibilita o surgimento de novas tipologias geográficas que advêm de uma geografia fílmica já que o cinema pode ser

considerado como meio capaz de construir e produzir novos espaços através da produção de diversas visualidades e visibilidades desses espaços. O atual uso de eficientes tecnologias na produção de efeitos especiais tem estabelecido novos parâmetros para a compreensão da noção do conceito de espaço, sua construção e representação, que tanto importa ao Cinema e à Geografia. Novos formatos estéticos e narrativos na relação espaço-tempo são possibilitados e estes, por sua vez, foram os objetos de interesse e investigação nesse Projeto, já que produzem novas linguagens e estéticas que em alguns casos se conformam como híbridas.

Ponta Negra 2.JPG